games
curiosidades
esportes
bizarro
filmes

Curiosidades

Slinky Drop Answer: uma mola que desafia a lei da gravidade

Quem se lembra daquelas molas malucas, tão famosas na década de 90? Naquela época, estas molas se tornaram uma febre, e quase toda criança vivia tentando fazer as molas descerem escadas sozinhas.

Uma coisa que poucos devem ter percebido é que estas molas tem uma capacidade bem inusitada, a de desafiar a lei da gravidade.

Se você segurar o topo de uma mola maluca, deixando que ela se estenda, e então soltá-la, o que acontece? Ela cai, certo? Certo.

Mas preste atenção na parte inferior da mola, que no vídeo abaixo ainda segura uma bola de tênis.




A bola fica estática no ar! A gravidade deixou de agir sobre ela? A explicação, na continuação.

A resposta é ainda mais fantástica do que anti-gravidade. Porque o conjunto como um todo, mola e bola, em verdade cai como qualquer outro objeto cai quando solto no ar. A gravidade é inexorável. Mas a parte de cima da mola mantém a parte de baixo com a bola no ar… ao cair! Então, como algo caindo pode manter outro algo no ar?

Simples: Física.

Para entender isso um pouco melhor, veja como a parte de cima da mola cai em um piscar de olhos. Ela está se acelerando mais rápido do que uma queda livre, movida tanto pela gravidade quanto pela tensão da mola.

Se você soltasse uma pedra, ela demoraria mais para percorrer a mesma distância que o topo da mola. É essa aceleração mais rápida que acaba sustentando a parte inferior — incluindo a bola de tênis — parada no ar por algumas frações de segundo.

De certa forma, é algo como os desenhos animados: a informação de que a parte de cima da mola foi solta leva algum tempo até chegar ao seu final. Até que isso ocorra, o centro de gravidade do conjunto está caindo, apenas na mola isso se traduz na parte inferior parada enquanto a parte superior se acelera cada vez mais rápido.

Agora pense na ideia de que se um dia o Sol deixasse de existir, levaria 8 minutos até que qualquer efeito disso fosse notado. Nossa estrela está a 8 minutos-luz de nós.

Neste hipotético sumiço do Sol, durante oito minutos nosso planeta orbitaria o campo gravitacional de uma estrela que não existe mais. Maluco, não? E o mais maluco é que o Sol não precisa deixar de existir para que isso aconteça. A gravidade que orbitamos é a deformação no espaço-tempo gerada há 8 minutos. A luz que nos banha escapou da fornalha solar há 8 minutos.

O mesmo vale para todas as estrelas no céu, uma enorme coleção de molas malucas soltas no tempo que levam milhares de anos até que seu final chegue aos nossos olhos.



Compartilhe:




Curiosidades, em 28/06/2012 às 17:03 por Juliane






Comentários:





destaques em Curiosidades

John Titor, o homem que viajou no tempo

Em Novembro do ano de 2000, Timetravel_0 era o nickname de J [ler+]

Conheça a mulher que mais fez cirurgias plásticas no mundo

Cindy Jackson tem 55 anos e é a recordista do Guiness na cat [ler+]

O abrigo de sementes do juizo final

A caverna (ou abrigo) de sementes do juízo final situa-se nu [ler+]

9 tradições perigosas ao redor do mundo

Em alguns países islâmicos, é mais do que normal ver mulhere [ler+]

mais vistos em Curiosidades

Qual é a coisa mais nojenta que existe?

Pense em um lenço estranho, de uma pessoa desconhecida, ping [ler+]

9 tradições perigosas ao redor do mundo

Em alguns países islâmicos, é mais do que normal ver mulhere [ler+]

Sagui-leãozinho, o menor macaco do mundo

O sagui-leãozinho ou sagui pigmeu é o menor primata do mundo [ler+]

A aranha mais venenosa do mundo

Extremamente rápida, agressiva e venenosa, a aranha armadeir [ler+]