games
curiosidades
esportes
bizarro
filmes

Interessante

Ex-astronauta defende colonização de Marte

Com 734 horas de espaço entre viagens, caminhadas espaciais e visitas à Estação Espacial Internacional, Dan Barry diz que viver em Marte poderá salvar humanidade da extinção.

Convidado a dar palestras motivacionais, o engenheiro norte americano Dan Barry, de 56 anos, passou 13 deles tentando entrar na Nasa. Depois de muito insistir e estudar, conseguiu ser uma das pessoas a passar mais horas no espaço: 734. Hoje, aposentado, ele tem uma empresa de robótica e ajuda a pensar soluções para o futuro como professor na University Singularity, a universidade do Google. Confira a entrevista:

Como você entrou na Nasa?
Sempre quis voar ao espaço desde que me lembro. Pulava do telhado fingindo que sabia voar. Sempre amei estar no ar. Comecei a me candidatar para a Nasa desde que eles começaram a aceitar inscrições. Me inscrevi tantas vezes...

Quantas?
Me inscrevi pela primeira vez em 1978, realmente há muito tempo, fui rejeitado. Em 1979, rejeitado. Em 1980, rejeitado. Em 1981, 1982, 1983, 1984, 1985, rejeitado. Para mim, 1986 foi um bom ano, porque eles não estavam recebendo inscrições, daí não tinha como ser rejeitado. Tentei em 1987, 1988, 1989... Estava envergonhado de continuar tentando. Pedi uma carta de recomendações a meu chefe, que disse: 'Você precisa se concentrar no trabalho, e não ficar pensando em voar para o espaço'. Mas o convenci a escrever em 1989: fui rejeitado. Em 1990, o convenci de novo e fui rejeitado. Ele me disse: 'Você é velho demais, nunca vai conseguir'. Liguei para Nasa e perguntei. O cara responsável pela seleção disse 'Não, você não é velho, nós sabemos quem você é' – Eu esperava que soubessem mesmo – E ele disse: 'Continue se candidatando'.Certo, tentei em 1991, fui rejeitado. Mas, em 1992, fui aceito.

Como conseguiu?
Na Universidade, escrevi uma carta para um astronauta dizendo que o que mais queria era voar ao espaço. E tinha duas escolhas: entrar para as Forças Armadas e me tornar piloto ou continuava estudando engenharia. O que fazer? O astronauta me respondeu com uma longa carta: 'Se o que você quer para sua vida é voar em aviões, vá ser piloto. No entanto, se o que gosta de fazer é engenharia, faça engenharia. Você tem que fazer o que ama. Se fizer isso, se tornará o melhor do mundo. Se for o melhor do mundo, encontrará um jeito de relacionar aquilo a voos espaciais. É isso que a Nasa busca: pessoas que são as melhores do mundo em alguma coisa.' As coisas que estudei – engenharia e medicina – eram as que estava interessado em aprender. Um jeito delas serem aplicadas a viagens espaciais é porque quando você vai ao espaço, seus ossos perdem resistência e seus músculos ficam mais fracos. Na medicina, estudei ossos e músculos, sabia que essas coisas importavam à Nasa.

O que você acha do cancelamento das missões Constellation da Nasa (projeto vetado por Obama que visava enviar o homem à Lua novamente até 2020)?
O mais importante é que as pessoas passem a viver não só neste planeta. Precisamos ir à Lua, Marte. Não importa como chegaremos lá. Se for com um programa como Constellation, tudo bem. E, em nosso tempo de vida, saímos de uma época onde todos vivíamos num só lugar a outra onde há gente vivendo fora. Sempre haverá pessoas fora do planeta. Agora mesmo, existem 6 pessoas no espaço. Esta é uma mudança fundamental na existência de nossa espécie. Se formos além disso para chegar à Marte, chegaremos ao ponto onde as pessoas que estão fora da Terra não precisarão mais dela. Hoje, se não ajudarmos às seis pessoas que estão fora da Terra [na Estação Espacial Internacional], elas morrerão. Mas se formos à Marte, é possível viver lá sem precisar de nada da Terra.

Tem certeza?
Absolutamente, Marte é diferente da Lua, onde sempre precisaremos de suporte da Terra. Se tivermos uma existência independente em lá, nada poderá matar a espécie nunca mais. Agora, com impacto de asteroides, problemas ecológicos, bioterrorismo, cada ser humano pode morrer. Vivendo em dois planetas separados, nenhum evento poderá matar a todos. Significa que nossa espécie se tornará imortal, que Star Trek pode ser real. Uma vez vivendo em dois planetas independentes, continuaremos até povoar esta galáxia inteira.

É possível tecnicamente viver em Marte?
Não temos a tecnologia construída, mas entendemos como fazer isso. É realmente uma decisão política: gastar o dinheiro para construir uma tecnologia que já conhecemos para chegar até lá. No início, claro, não seremos independentes. Seremos muito dependentes da Terra. Mas em 50 anos, 100 anos, aquele lugar poderia ser independente. Não podemos fazer isso amanhã, mas podemos começar amanhã.

Não é melhor gastar o dinheiro para resolver os problemas aqui da Terra?
Precisamos ter um equilíbrio entre o dinheiro que gastamos no presente e aquele que investimos no futuro. Se você me perguntar se prefiro gastar um dólar num foguete ou um dólar com um lanche para uma criança faminta, eu diria com a criança, claro. Mas pense em sua vida, você investe para ir à Universidade, é um investimento em seu futuro. A sociedade precisa ter um balanço entre o que gastamos agora e no futuro. Se só tomarmos conta dos problemas de agora, estaremos limitando o futuro. Há muita justificativa em gastar dinheiro com expansão. Nos Estados Unidos, gastamos cerca de 0,6% do orçamento federal em missões espaciais. Acho que é uma quantia razoável.

Você tem uma empresa de robótica, o que podemos esperar desta área no futuro próximo?
Robôs autônomos e para propósitos gerais podem tornar-se companhia, como empregados, guarda-costas ou enfermeiros em hospitais, ajudando a medicar pacientes. Mas o uso real destes robôs, nós não sabemos ainda. Antes, as pessoas não queriam um computador em casa porque não tinham o que fazer com ele e eram caros demais. Hoje, as coisas que um robô faz, você faz muito mais facilmente sozinho. Não há boa razão para você comprar um agora. Naquele tempo, não tínhamos nenhuma noção da importância que os computadores têm hoje. Ninguém imaginou a internet, nem a ficção científica. É a mesma coisa com robôs, quando tivermos eles em nossas casas, vamos encontrar usos fantásticos. Sua existência criará novos usos.

No futuro, a tendência é que os robôs sejam como as pessoas?
Terão características humanas, mas não estou tão interessado em fazer um humano mecânico. Já conheço muito humanos. Apesar de serem assistentes úteis, não acho que esta seja a característica mais importante dos robôs. A Inteligência Artificial vai nos mostrar uma camada diferente. Na medida em que desenvolvermos robôs inteligentes, eles poderão fazer coisas e irão aprender outras formas de pensar o mundo. Inteligência robótica soma-se à inteligência humana, não irá substituí-la. É como hoje, estou conhecendo pessoas de uma outra cultura, só conhecendo você, já estou aprendendo coisas novas. Quero construir um robô que seja como uma cultura diferente.

Na Singularity University vocês discutem desafios da humanidade. Qual é o maior?
Não tentamos dizer este é o maior desafio. Dizemos, estes são os desafios, vamos ver como a tecnologia pode ser aplicada para resolver estes problemas. Pensamos como podemos usar o rápido desenvolvimento tecnológico para prever o futuro. Por exemplo, sei que em cinco anos teremos bons sensores de reconhecimento de voz. Assim, posso começar hoje a construir um robô que vai tirar vantagem disso. Podemos aplicar este mesmo conceito aos grandes desafios da humanidade.

Como foi ver a Terra do espaço?
Da primeira vez, entrei por uma parte onde não haviam janelas, flutuei até uma e vi a Terra. [pausa] É tão bela que nenhuma fotografia poderia te mostrar. O verde da Amazônia é o verde mais profundo que nunca poderemos produzir. O azul da atmosfera tem tantas nuances, do azul mais negro ao mais claro e esbranquiçado. No branco das nuvens contra a escuridão do espaço, o contraste está além do que qualquer câmera jamais poderá registrar. Se quer saber como a Terra é do céu, tem que ir ver. Quando dou palestras, não uso fotos, porque não posso mostrar a beleza da Terra. Lá de cima, dá também uma noção do quão frágil ela é. A atmosfera é como uma casca de maçâ, tão fina. Do Brasil, consegui ver fumaça da floresta amazônica queimando. Ela percorre todo Oceano Pacífico até o Havaí. Dá para ver como estamos todos conectados, como é frágil. Temos que trabalhar juntos para proteger isso.

Marte poderá ser tão bonito?
Com certeza. Há tanto gelo em Marte. Se derretermos tudo, o planeta ficará debaixo d’água. Há água suficiente para construir uma atmosfera e poderemos transformar Marte para parecer com isto aqui [aponta para algumas árvores na janela]...



Compartilhe:



Fonte


Interessante, em 13/07/2010 às 00:00 por Juliane






Comentários:





destaques em Interessante

Diamante maior que a Terra é descoberto no espaço

Imagine a maior pedra preciosa que você conseguir. É do tama [ler+]

Jovem com metade do corpo é exemplo de determinação

o jovem Doug Forbis de 24 anos nasceu com uma doença muito r [ler+]

Jovem tem braços artificiais controlados pelo poder da mente

Após perder os braços em um acidente de trabalho há quatro a [ler+]

Um misterioso som vindo do Oceano Pacífico!

A foto é uma representação visual de um som alto e incomum v [ler+]

mais vistos em Interessante

Pesquisadores alegam ter encontrado a cidade perdida de Atlântida

A Atlântida ou Atlantis é uma lendária ilha ou continente cu [ler+]

Esmaltes diferentes

Se você achava que a criatividade das marcas estava no fim, [ler+]

Britânico perde 1/3 da cabeça em queda brutal

Alan Hind tem 28 anos e vive sem um terço de seu crânio devi [ler+]

Designer de moda cria roupas feitas de leite

Anke Domaske, uma designer de moda e microbiologista alemã, [ler+]

vídeos

Um flashmob super legal da Nivea

A criação é da agência Draft FCB de Paris, e o conceito é mais ou menos um “Efeito Axe” do creme Q10 [ler+]

» recente em vídeos

Ver Mais Vídeos »