games
curiosidades
esportes
bizarro
filmes

Interessante

O dia em que Estados Unidos foi invadido por um inimigo imaginário

A Batalha de Los Angeles, um evento ocorrido entre o dia 24 e 25 de Fevereiro de 1942, foi talvez um dos eventos mais vexatórios protagonizados pelas forças de defesa nacional dos EUA, já que durante a mesma, e impulsionados pela paranoia advinda do ataque japonês a Pearl Harbour, as unidades de controle aéreo costeiro confundiram um balão meteorológico com um avião de reconhecimento da frota japonesa.

Convencidos de que estavam a ponto de serem atacados por bombardeios e muito possivelmente para-quedistas suicidas japoneses, o alto comando da guarda nacional ordenou que começassem os procedimentos necessários de defesa.

A população, aterrorizada pelas sirenes de alarme, correu para esconder-se em todo tipo de sótãos e refúgios, enquanto era cortado o fornecimento elétrico em toda a cidade só permitindo a alimentação dos gigantescos focos direcionais de luz ao longo da costa que iluminavam os céus em busca de bombardeiros. Simultaneamente, a policia civil começou a tomar posições estratégicas e diferentes esquadrões aéreos começaram a posicionar-se, entre os quais se encontrava o quarto comando de interceptores, frota criada especialmente para defender a parte baixa da Costa Leste dos Estados Unidos.

E como se as sirenes, os soldados, as luzes e os aviões se preparando para enfrentar os japoneses já não fossem muito problema, o ponto máximo desta invasão começou quando depois das três da madrugada o alto comando, temeroso pela quantidade de espessas nuvens que cobriam o céu, ordenou a 37º brigada de artilharia costeira que abrisse fogo "sobre o inimigo". Incertos sobre onde se encontrava esse poderoso e certamente discreto inimigo, os artilheiros realizaram todo tipo de diferentes padrões circulares e lineares de fogo, tentando desta maneira cobrir vários setores do céu com munições explosivas. Isto durou menos de uma hora e levou a que disparassem mais de 1.400 balas de oito kg, várias com cabeças explosivas, que ao cair sobre a cidade causaram diverso destroços sobre os edifícios bem como incêndios e a morte de três inocentes.

No dia seguinte, o secretário da marinha, Frank Knox teve que enfrentar a fervorosa imprensa que questionava sobre o que realmente teria ocorrido e por que os sistemas de defesa dos Estados Unidos abriram fogo causando destroços e mortes se não existia nenhuma frota de invasão japonesa. Em vez de desmentir o ocorrido e aceitar o erro Knox deu respostas incertas, aumentando ainda mais a paranoia. Ante a comoção o Congresso decidiu estabelecer uma comissão investigadora para analisar os eventos, e tudo terminou sendo classificando como um caso de nervos de guerra. Em 1983 uma nova comissão investigadora reabriu o caso e, depois de pesquisar material da época, estabeleceu como origem dos fatos a confusão por parte do controle aéreo costeiro de um balão meteorológico com um avião da frota japonesa.



Compartilhe:



Fonte


Interessante, em 12/08/2010 às 18:43 por Juliane






Comentários:





destaques em Interessante

Participe de uma experiência sonora 3D impressionante

Embora a indústria do entretenimento venha a cada dia mais v [ler+]

Jovem com metade do corpo é exemplo de determinação

o jovem Doug Forbis de 24 anos nasceu com uma doença muito r [ler+]

Curitiba terá cinema com poltronas que se mexem, vento e água na cara

Imagine você em uma sala de cinema assistindo o filme Pirata [ler+]

Um misterioso som vindo do Oceano Pacífico!

A foto é uma representação visual de um som alto e incomum v [ler+]

mais vistos em Interessante

Pesquisadores alegam ter encontrado a cidade perdida de Atlântida

A Atlântida ou Atlantis é uma lendária ilha ou continente cu [ler+]

Esmaltes diferentes

Se você achava que a criatividade das marcas estava no fim, [ler+]

Britânico perde 1/3 da cabeça em queda brutal

Alan Hind tem 28 anos e vive sem um terço de seu crânio devi [ler+]

Designer de moda cria roupas feitas de leite

Anke Domaske, uma designer de moda e microbiologista alemã, [ler+]