games
curiosidades
esportes
bizarro
filmes

Interessante

4 descobertas que frustraram as promessas da genética

Quando os cientistas concluíram o mapeamento do genoma humano, em 2000, o mundo festejou o que seria uma revolução na ciência. O “código da vida” havia sido decifrado, o que significava que, em coisa de 10 anos, daria para prever e evitar as doenças mais misteriosas com remédios feitos especialmente para o nosso DNA. Acontece que os 10 anos já se passaram e nada disso aconteceu. Ninguém sabe por que o câncer, por exemplo, ataca pessoas saudáveis de repente. E ainda não há como “desligar” o gene que está relacionado à doença de Parkinson. Mas por que esse enorme #FAIL aconteceu?

1- Acreditava-se que cada gene fabricava uma única proteína, mas a verdade é que cada gene pode produzir várias delas.
Os genes têm a nobre função de fabricar proteínas, que são as responsáveis por regular tudo o que acontece no nosso organismo – da absorção de gorduras à determinação de características pessoais como a cor do cabelo. Até aí, tudo certo. Mas acreditava-se que cada gene fabricava uma só proteína. Isso significa que, se os cientistas identificassem cada gene com a proteína correspondente, seria possível saber exatamente em qual deles precisaríamos mexer quando ficássemos doentes. Simples. O problema é que se descobriu que um gene pode estar ligado à produção de várias proteínas, o que complica tudo.

2- Os genes não agem sozinhos, como se pensava.
As células definitivamente são mais complexas do que se imaginava. Além de poder produzir várias proteínas, um gene ainda pode interagir com outros genes não só para fabricar outras proteínas, mas também para dar novas funções a células. Por serem relações tão complexas, fica difícil (ou até impossível) identificar e alterar um único gene pra curar ou evitar uma doença – a menos que se trate de doenças raras que afetam realmente um gene específico.

3- O chamado “DNA lixo”, antes considerado inútil, na verdade regula a interação entre os genes.
Os genes são raros no DNA: a maior parte da espiral é formada por trechos que não fabricam proteínas. Mas estudos aprofundados revelaram que esse DNA lixo não é nada inútil e não pode ser desprezado. Pelo contrário: ele é uma espécie de chefão dos genes, regulando a interação entre eles. Problemão para a genética, que agora também precisa dar atenção especial a esse material outrora renegado.

4- O código genético não é imutável.
Pois é, meu caro. Não pense que o seu belo código genético está imune a tudo e ficará para sempre do jeitinho em que está. O sistema imunológico pode agir sobre os seus cromossomos e ativar ou desativar combinações de DNA. Isso quer dizer que algumas doenças podem ser realmente imprevisíveis e, mesmo se não forem, não daria para confiar 100% em um tratamento que afete o DNA, já que ele também pode não ser permanente.



Compartilhe:



Fonte


Interessante, em 13/09/2010 às 12:19 por Juliane






Comentários:





destaques em Interessante

Os robôs mais realistas do mundo

A ficção científica está repleta de histórias em que é difíc [ler+]

Jovem tem braços artificiais controlados pelo poder da mente

Após perder os braços em um acidente de trabalho há quatro a [ler+]

Um misterioso som vindo do Oceano Pacífico!

A foto é uma representação visual de um som alto e incomum v [ler+]

Participe de uma experiência sonora 3D impressionante

Embora a indústria do entretenimento venha a cada dia mais v [ler+]

mais vistos em Interessante

Pesquisadores alegam ter encontrado a cidade perdida de Atlântida

A Atlântida ou Atlantis é uma lendária ilha ou continente cu [ler+]

Designer de moda cria roupas feitas de leite

Anke Domaske, uma designer de moda e microbiologista alemã, [ler+]

Esmaltes diferentes

Se você achava que a criatividade das marcas estava no fim, [ler+]

Britânico perde 1/3 da cabeça em queda brutal

Alan Hind tem 28 anos e vive sem um terço de seu crânio devi [ler+]


publicidade

publicidade